Santa Catarina: onde estão os arquitetos e urbanistas?

O caso de Santa Catarina relembra a importância dos arquitetos e urbanistas

 

Há algum tempo estava pensando em postar algo sobre a relevância e/ou ausência dos arquitetos e urbanistas no planejamento das cidades brasileiras… Infelizmente, a tragédia das enchentes em Santa Catarina tornou-se um momento oportuno:

É inegável a imprevisibilidade dos fenômenos naturais e o seu poder de destruição, apesar dos avanços tecnológicos e do conhecimento humano. Em episódios como esse, a natureza demonstra toda a sua potência diante da insignificância de nossas cidades; deixa um rastro de perdas e impotência…

E agora, o que fazer? Em meio à perplexidade das perdas humanas, os primeiros esforços se concentram (e realmente devem se concentrar) na comunidade: remoção da população das áreas de risco, criação de alojamentos, entrega de suprimentos, controle de doenças e epidemias, auxílio material e psicológico na tentativa de amenizar, ao menos parcialmente, os estragos causados pelo imprevisto…

Em um segundo momento, começa a reconstrução racional das cidades afetadas. E é justamente nesse ponto (em alguns casos apenas nesse ponto), que os planejadores urbanos entram em cena no reforço de reorganização das cidades. Antes desses casos excepcionais, ocupações irregulares incham as zonas urbanas; áreas de alagadiços são utilizadas para urbanização; encostas e morros são desmatados; reservas ecológicas são desconsideradas. Rios são poluídos pela ausência de redes urbanas adequadas, canais são assoreados e cobertos para aumentar o solo das cidades, espécies vegetais que regulam o micro clima são degradadas e áreas de declive são desordenadamente ocupadas (não apenas por assentamentos irregulares motivados pelo déficit habitacional ou ausência de moradia)…

E nós, profissionais (arquitetos, urbanistas, engenheiros, paisagistas, geógrafos…), ainda estamos lá, estudando planos urbanísticos, zoneamento das cidades, definindo afastamentos e altura dos edifícios, a taxa de ocupação do solo, formatando os limites entre as áreas edificáveis e as zonas de risco… Desenhamos do plano macro ao detalhe de uma calçada ou mobília urbana. Mas ao final, tem-se um planejamento elástico, esgarçado por diversos interesses que descaracterizam ou materializam parcialmente os planos iniciais… São cortes de orçamento, falta de interesse… adição de muitos interesses… 

E, mais uma vez, os profissionais urbanos não são ouvidos e, na falta de importância que a profissão “conquistou” no cotidiano, permanecem sem voz…

No caso de Santa Catarina, o problema não é tão simples ou racional, mas é possível confrontá-lo parcialmente com os benefícios que o arquiteto e urbanista tem a oferecer ao desenvolvimento estruturado das cidades. Eis aí uma oportunidade de reflexão…

Um comentário sobre “Santa Catarina: onde estão os arquitetos e urbanistas?

  1. Andressa,

    A reflexão sobre o papel do planejamento urbano na vida das pessoas é visível no dia-a-dia de qualquer cidade, porém quando analisamos uma tragédia como esta de Santa Catarina fica ainda mais evidente que não planejamos de forma adequada nossa ocupação de modo a respeitar o ambiente.

    Buscar moradia próxima as margens dos rios tem sido parte do desenvolvimento humano.

    Porém enchentes também fazem parte dessa história, trazemos como histórico a grande enchente do Vale do Itajaí ocorrida em 1984.

    Isso não é privilégio do Brasil também, lembro que em Londres no Rio Tamisa existem gigantescas comportas para que o aumento no nível do mar não provoquem grandes enchentes (a previsão é que este sistema funcione até 2020).

    Sinceramente quando estudei sobre impacto ambiental na faculdade aprendi diversas formas de avaliar o impacto da ação humana no ambiente, desde daquilo que se refere a antropologia, impacto cultural nas pessoas, impacto na fauna e flora, impactos gerais que um grande obra pode trazer, porém acredito que faltou algo importante que não foi lecionado, o impacto das questões cíclicas da natureza no projeto.

    Enchentes são cíclicas, assim como outros desastres naturais, por exemplo, terremotos. Acredito que no Brasil damos pouca importância ao que vai acontecer nos próximos anos em nossos ambientes onde projetamos. Não avaliamos de forma qualitativa e quantitativa o risco de alterações e/ou desastres ambientais de forma adequada.

    Talvez se utilizássemos mais nossa experiência passada e previsões futuras de ambientes para ocupação de áreas teríamos menos catástrofes como esta de Santa Catarina, e talvez gastaríamos menos recursos nas construção de comportas como as do Rio Tamisa ou dique como os do Rio Mississipi em New Oleans.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s